segunda-feira, 21 de junho de 2010

RELATO DO PARTO...

Um mês antes...

Desde o começo de maio precisei fazer repouso absoluto por entrar em trabalho de parto prematuro gerado por uma infecção urinária e diabetes gestacional, o que foi um susto, já que tive uma gravidez super tranqüila até este momento.
Este repouso não foi nada fácil, sempre fui super ativa e independente, mas procurei seguir todas as recomendações da minha médica. Tive que cortar os carboidratos (pão, massa, arroz, batata, doces, açúcar...), tomar insulina e medir minha glicemia em todas as refeições.
No final do mês fiquei internada por 5 dias para controlar as contrações que aumentaram, tomando várias medicações. A idéia era segurar a Rafaela por mais algumas semanas, já que ela era muito prematura ainda.
Quando completei 36º semanas a minha médica resolveu suspender as medicações de segurar as contrações, e deixamos nas mãos de Deus.

Dia do parto...

No dia 07 de junho (segunda), umas 19hrs estava deitada vendo TV, quando levantei do sofá e senti descer um pouco de água, não sabia se era xixi ou se era a bolsa estourando...
Fui até a cozinha falar com o André, e senti sair mais um pouco de água, nessa hora tive a certeza que não era xixi, já que molhou bastante dessa vez. Na mesma hora ligamos pra minha médica e ela pediu que eu já fosse direto pro hospital, que ela me encontrava lá.
Me troquei tranquilamente, fechamos as malas (haja coisas... rs), e fomos pro hospital.
No caminho fui conversando com o André, em alguns momentos dava nervoso, em outros não, queria esperar minha médica me examinar pra ela falar certinho se a Rafa ia ou não nascer. Acho que fiquei tão atordoada com a internação, trabalho de parto prematuro, que queria ter certeza antes, pra não me frustrar.
No carro rezamos juntos e pedimos pra que o melhor acontecesse... Não ligamos pra ninguém da família ainda, pois queríamos esperar uma posição da minha médica, pra depois avisar a todos.
Entramos no hospital, minha médica já estava lá toda animada como sempre nos esperando, me levou pro centro cirúrgico, examinou e constatou que a bolsa realmente tinha rompido.
Ela olhou pra minha cara e falou: Agora vai, chega de esperar né? Assim que o anestesista chegar, já fazemos o seu parto, pode avisar o André.
Nossa nessa hora me deu um medo, nervoso,alegria, alivio, ansiedade... um misto de sentimentos... não sabia o que pensar...
Contei pro André com os olhos cheios de lágrimas, estava emocionada e com um pouco de medo, percebi que ele também estava um pouco nervoso, ansioso.
Ligamos pra minha mãe, sogra, irmãos, cunhadas, e ficamos aguardando o anestesista chegar.

A enfermeira me levou para a sala do parto, começou a preparar a sala, foi me arrumando enquanto a equipe médica chegava. Nessa hora dá uma angustia, ansiedade, nossa... nem acreditava que em poucos minutos estaria com a minha filha nos braços.
O anestesista chegou, conversou comigo, aplicou a anestesia (não doeu nadica de nada), e aos poucos não sentia mais minhas pernas, ele pediu que eu tentasse levantar, mas não conseguia, era tão estranho... rs
Minha médica é super brincalhona, falante, foi conversando comigo pra me distrair, só sei que logo colocaram aquele pano na minha frente, e eu imaginei que já ia começar a cesárea. Ela foi lá fora chamar o André, pois ele queria assistir todo o parto.
Ele entrou e ficou acompanhando tudo, ficou assistindo cortar, abrir, tudo, tudo, tudo... rs
Achei que ele não ia ter coragem, mas me surpreendeu, não ficou ali comigo atrás do pano, ficou lá vendo cada detalhinho e ia narrando pra mim... rs
Depois começou a me dar nervoso, sentia mexerem em mim pra lá e pra cá, mas era uma sensação estranha, chamei o André do meu lado, segurei forte na mão dele.
Ele querendo filmar o parto e eu segurando ele do meu lado... hahaha

Logo a Rafaela nasceu, ela não chorou na hora, mas depois que as enfermeiras levaram ela pra limpar, pesar, escutei lá no fundo um choro alto, agudo... me emocionei bastante.
O André foi atrás, ficou tirando fotos, enquanto a médica terminava de fechar meus pontos.
O André voltou e me mostrou fotos da Rafaela, me emocionei muito em ver minha filhinha cabeluda, saudável, super bem.
Ela nasceu de 36º semanas e 5 dias, um pouco prematura,pesou 2,880kg e mediu 45cm.



Logo trouxeram a Rafa pra eu ver, dei um beijinho na testa dela, nossa que emoção imensa, tiramos fotos, e as enfermeiras levaram ela pra tomar banho.
Eu estava um pouco grogue devido a anestesia, fiquei numa sala sozinha aguardando virem me buscar pra levar pro quarto, Não sei quanto tempo fiquei ali, mas sei que demorou uma eternidade.. ai que ansiedade, queria ir logo ver minha filha, minha mãe, marido...
Duas enfermeiras me buscaram, e no corredor já vi minha mãe, meus dois irmãos e o André, eles estavam todos empolgados que a Rafa tinha acabado de passar pra tomar banho.
Num instante trouxeram a Rafaela pro quarto e já a colocaram no meu peito pra mamar, não foi muito fácil, mas ela mamou um pouco.
Meus irmãos trouxeram um charuto pra fumar com o André, tá certo que quando nasce menino que se fuma charuto, mas valeu a intenção... hahaha

Logo eu apaguei, acho que estava tão cansada, dormi a noite toda. A Rafa ficou no quarto com a gente, mas não por muito tempo porque as enfermeiras a levaram pra tirar sangue, fazer alguns exames.
Aos poucos foi passando o efeito da anestesia e eu comecei a sentir um pouco de dor, minha médica deu algumas medicações e fiquei super de boa. Achei que era uma dor terrível, mas não foi, deu pra agüentar super bem.
Na terça-feira de manhã já estava tomando banho, andando pelo hospital, só era difícil subir e descer da cama, mas fora isso, foi tranqüilo.
Na quarta cedinho minha médica já me deu alta, disse que nunca viu alguém passar por uma cesárea tão bem assim... rs. Ficamos super felizes, não fiquei nem 48hrs no hospital.

Chegamos em casa meio perdidos, sem saber ao certo o que fazer, como fazer... mas aos poucos fomos nos ajeitando... a noite já recebemos visitas, estavamos super felizes de voltar pra casa, é tão gostoso.

A primeira semana...

A primeira semana não foi fácil, tivemos que aprender muita coisa, mudar rotina, hábitos, organizar várias coisas, receber visitas inesperadas, e pra ajudar eu tive uma surpresa: BABY BLUES (mas isso é capitulo pra um outro post, vou escrever com calma sobre essa experiência ruim).

Agora já nos adaptamos bem a chegada da Rafa, aprendi a me organizar com as comidas, coisas da casa, atender a Rafa, visitas, enfim, e as coisas estão entrando nos eixos. Tenho uma faxineira 2 vezes por semana e minha mãe tem vindo sempre me ajudar, mas estou me virando bem sozinha, e fico super orgulhosa de mim mesma, estou conseguindo superar esse Baby Blues.

Estamos muito felizes e encantados com a Rafinha, ela nos surpreende a cada dia, já olha pra mãozinha dela, brinca, tenta levantar, vira pra um lado, pro outro, uma graça. É maravilhoso ser mãe, e ter uma família completa.
O André é um pai maravilhoso, marido maravilhoso, tem sido um super companheiro, me ajuda em tudo, tudo, tudo. Acho que por isso consegui superar essa fase de adaptação, agradeço todos os dias a Deus por ter ele do meu lado.

Gente, a maternidade é maravilhosa, até com os momentos difíceis e complicados a gente aprende, se surpreende, e eu estou totalmente encantada!!! É muuuuuuuito bom!!!

4 comentários:

Tássia disse...

Mari, estava vendo aqui agora que a Rafa nasceu...
Não estou mais próxima a você, mas acompanhei tudo pelo blog. =)
E quero desejar tudo d melhor pra sua família!!!
Que vocês sejam muito felizes, e quem sabe, mais pra frente, não aumentem em número... hsauhasuash
A Rafa é um bebê lindo!!! Parabéns... =)

Bjosss, Tássia...

Mari disse...

Oi Tá, nossa quanto tempo! Saudades!
tá tudo bem? aparece viu.

Obrigada de coração pelo carinho!!!
Nada de aumentar o número, só a Rafa já está otima... rsrsrs

bjs
Mari

AS PAULINAS disse...

Mari,

que momento lindo!!!!
Adorei seu relato, me emocionei qdo vc diz do beijinho nela logo que nasceu. Lembrei do parto da Maria...
Os primeiros dias são assim mesmo: sem horários, meios estranhos, a gente sem saber se está fazendo td certo... mas vc já tirou de letra, né?
Curta muito!

Bjo

Mariliz

Mari disse...

Oi Mariliz,

Pois é... é muito especial a hora que vemos o rostinho pela primeira vez.

Aos poucos a gente vai pegando o jeito né? No começo é mais dificil mesmo, a gente fica meio perdida...rs

Bjinhos
Mari